CAE Angola | CAE- Centro de Apoio Empresarial, Apresenta Oportunidades e Soluções para o Empresariado Nacional
16244
single,single-post,postid-16244,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-7.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.5.3,vc_responsive

CAE- Centro de Apoio Empresarial, Apresenta Oportunidades e Soluções para o Empresariado Nacional

22 Jun 2016 CAE- Centro de Apoio Empresarial, Apresenta Oportunidades e Soluções para o Empresariado Nacional

imgnoticiab

 

Identificar soluções para contornar os desafios que o actual momento económico apresenta aos fornecedores locais, bem como elucidar os conceitos e funcionamento da cadeia de aprovisionamento do sector petrolífero, foram os principais objectivos da realização do workshop que decorreu no dia 21 de Junho, Sob o lema “Conjuntura actual no Sector Petrolífero, Oportunidades para o Empresariado Nacional”

O workshop de caracter técnico que albergou cerca de cem empresários contou com o Apoio do Ministério do Petróleos , Sonangol E.P e da Câmara de Comércio e Indústria de Angola. À margem da cerimónia de apresentação dos requisitos necessários para que as empresas nacionais forneçam serviços à indústria petrolífera, o Coordenador geral do CAE, Job Vasconcelos disse que o sector petrolífero continua na sua plenitude de exploração e produção. “Por isso, trazer grandes empresas para fazerem parcerias com as empresas nacionais, produzirem localmente e pagarem impostos dentro do país permite ao país reduzir o pagamento de impostos no estrangeiro com cambiais, continua ser prioritário para as prestadoras do sector”, ressaltou.

O CAE apresentou aos fornecedores as diversas vertentes de industrialização e de concepção de produção que podem permitir mais contratação de mão-de-obra nacional, mais pagamentos de imposto e ajudar os princípios do Executivo. Job Vasconcelos esclareceu que as empresas de prestação de serviço devem trabalhar afincadamente, apostando na produção do conteúdo nacional, o que lhes vai permitir reduzir os custos de produtos e consequentemente influenciará na redução do custo do barril.

O que tem acontecido, esclareceu, é que, muitas vezes, ao pagar pelos produtos importados para o sector petrolífero, as empresas encontram um desequilíbrio económico no valor final. Por isso, aconselha as companhias a optarem pelos bens produzidos localmente e que têm baixo impacto sobre o valor final. “Hoje, a agricultura é feita para apoiar todos os sectores da vida do país, sendo o pagamento dos produtos agrícolas feito em moeda nacional a custos reduzidos”, reforçou.

Benefícios e incentivos fiscais no sector petrolífero, e Captação de novos investimentos e parcerias no sector petrolífero, oportunidades, desafios e constrangimentos foram temas que também dominaram o evento presididos pelo representante da Administração Geral Tributária (AGT) Alexandre Catapa – e da Agência para Promoção de Investimento e Exportações (APIEX) Carvalho Neto, esclareceram os operadores sobre as modalidades dos pagamentos de imposto das empresas petrolíferas de captação de investimentos e novos negócios no sector.