CAE Angola | LUANDA OIL & GAS CONFERENCE AND EXPO 2015
15905
single,single-post,postid-15905,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-7.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.5.3,vc_responsive

LUANDA OIL & GAS CONFERENCE AND EXPO 2015

26 Out 2015 LUANDA OIL & GAS CONFERENCE AND EXPO 2015

1

Com o objectivo de promover o potencial das empresas angolanas registadas na base de dados de fornecedores junto do sector petrolífero, e assegurar a contratação de bens e serviços de empresas angolanas por parte das empresas produtoras de petróleo, ao abrigo do conteúdo local, o CAE – Centro de Apoio Empresarial, realizou nos dias 22 e 23 de Outubro no Centro de Convenções de Talatona o Fórum “Luanda Oil and Gas Conference and Expo 2015”.

Durante a abertura do evento, o Ministro do Petróleos, Botelho de Vasconcelos, em alusão ao lema “Desafios, Oportunidades, Parcerias e Inovações”, disse que o programa tem como objectivo reduzir as importações de bens e serviços e garantir a diversificação da economia nacional.

“O PND prevê um conjunto de medidas que passam pela promoção e identificação de potenciais investidores estrangeiros que contribuam para a capacitação do empresariado nacional, bem como incentivar a formação de quadros nas áreas de geociências e outras onde o país regista défice”.

Para o ministro, a produção local é um instrumento de geração de riqueza e de trabalho, capaz de promover a competitividade e induzir a redução dos custos de empreendimentos e diminuir a dependência externa.

Botelho de Vasconcelos apelou às empresas operadoras e prestadoras de serviço à actividade petrolífera a colaborarem com o governo no processo de diversificação económica, através do fomento do conteúdo local e do consumo de bens e serviços feitos em Angola. Fizou ainda que “o projecto de estratégia para inserção e fomento do empresariado nacional no sector petróleo visa, por um lado, a redução das importações de bens e serviços e garantir a diversificação da economia, e, por outro, a identificação das fragilidades e dos riscos associados à política de promoção do conteúdo local de maneira que esta seja sustentável.”

O Ministro dos Petróleos revelou, ainda, que o sector petrolífero está a fazer o levantamento dos bens e serviços produzidos no país nos diferentes sectores para apoiar o desenvolvimento das empresas nacionais com destaque para os produtos agricolas e pescas.

O certame contou também com a presença da Secretária de Estado das Relações Exteriores, a Dra. Ângela Bragança, do Administrador Executivo da Sonangol, Eng. Fernando Roberto, contou ainda com mais de 300 empresários nacionais, delegações empresariais do Reino Unido, EUA, Brasil e Singapura, representantes das operadoras petrolíferas, Total, Chevron, Statoil, EXXON, Repsol, ENI, representações comerciais das Embaixadas dos Estados Unidos, Inglaterra, Brasil e Noruega e 50 empresas expositoras.

Durante os dois dias de actividade, foram abordados 7 temas, entre os quais: “A Contribuição do Sector de Petróleo e Gás para a Diversificação da Economia de Angola”, “Conteúdo Nacional no Sector Petrolífero: Estratégias e Orientações”,

“Politicas, Estratégias e Oportunidades de Investimento em Angola”, “Criação de “Parcerias Estratégicas como factor crucial para o sucesso do seu empreendimento” e “Tributação na Industria de Petróleo e Gás”.

No final, foram galardoadas três empresas angolanas prestadoras de serviço à Industria Petrolífera; a forma de advogados LCF, recebeu o prémio de melhor projecto de responsabilidade social, a Alcea foi distiguida com o Prémio Empreendedorismo e a Empresa Operatec como Empresa do Ano.